\\ JORNAL DA MANHÃ \ Saúde

Dívida do Estado com HCI ficará em R$ 4 mi

Publicada em 16/12/2016.

 

Novamente o Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) teve que recorrer à rede bancária para o pagamento de parte do 13º salário dos colaboradores e alguns compromissos com médicos e fornecedores, por meio de uma linha de crédito disponibilizada pela Caixa Econômica Federal para as instituições de saúde pelo contrato com o SUS.
“Tem sido uma constante, temos feito o melhor possível. Temos vários projetos para que nos desvinculemos um pouco disso, porque o Hospital tem que sobreviver não só com o contrato do Estado e da União, porque a dificuldade é grande, todos sabem que o Brasil está quebrado e o Estado está na mesma situação e não tem dinheiro novo, não tem financiamento para a Saúde, a não ser nossas emendas e nossos projetos”, comenta o presidente do HCI, Cláudio Matte Martins.
Segundo ele, ainda não é possível projetar um fechamento de contas para o Hospital neste ano já que o governo do Estado ainda não pagou os serviços prestados no mês de outubro. “A promessa do governo, através do senhor Gabbardo [secretário estadual de Saúde] era de pagar a metade do atrasado do mês de junho, julho e a inteira do mês de outubro, então isso não está sendo cumprido à risca como tinha prometido nosso secretário”, lamenta Cláudio acrescentando que o volume de repasses em atraso referente a contratos de prestação de serviços deve fechar 2016 em torno de R$ 4 milhões. “Fora os processos administrativos que não vamos discutir agora, mas que já estão no Fundo Estadual da Saúde.”

Novamente o Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) teve que recorrer à rede bancária para o pagamento de parte do 13º salário dos colaboradores e alguns compromissos com médicos e fornecedores, por meio de uma linha de crédito disponibilizada pela Caixa Econômica Federal para as instituições de saúde pelo contrato com o SUS.

“Tem sido uma constante, temos feito o melhor possível. Temos vários projetos para que nos desvinculemos um pouco disso, porque o Hospital tem que sobreviver não só com o contrato do Estado e da União, porque a dificuldade é grande, todos sabem que o Brasil está quebrado e o Estado está na mesma situação e não tem dinheiro novo, não tem financiamento para a Saúde, a não ser nossas emendas e nossos projetos”, comenta o presidente do HCI, Cláudio Matte Martins.

Segundo ele, ainda não é possível projetar um fechamento de contas para o Hospital neste ano já que o governo do Estado ainda não pagou os serviços prestados no mês de outubro. “A promessa do governo, através do senhor Gabbardo [secretário estadual de Saúde] era de pagar a metade do atrasado do mês de junho, julho e a inteira do mês de outubro, então isso não está sendo cumprido à risca como tinha prometido nosso secretário”, lamenta Cláudio acrescentando que o volume de repasses em atraso referente a contratos de prestação de serviços deve fechar 2016 em torno de R$ 4 milhões. “Fora os processos administrativos que não vamos discutir agora, mas que já estão no Fundo Estadual da Saúde.”