\\ JORNAL DA MANHÃ \ Economia

Especialista alerta sobre aplicação do 13º salário

Publicada em 12/12/2016.

 

A pesquisa divulgada pela Fecomércio que apontou o ranking da intenção de uso do 13º salário mostrou que em primeiro lugar está o pagamento de contas e em segundo lugar a poupança. 
O economista da Fecomércio Lucas Schifino  destaca que quanto ao investimento do 13º existe uma série de opções no mercado de aplicações disponíveis para os consumidores. "Eu recomendaria, principalmente neste momento de instabilidade da economia, que não se arrisque muito em opções de renda variável, são fundos de ações,  fundos que investem em taxa de câmbio, fundos que investem em opções do mercado que a gente não tem garantia de rentabilidade. A melhor opção neste momento são investimentos em renda fixa, sejam elas CDB título de governo, LCA, LCI, são todas opções que têm uma rentabilidade prépactuada entre o banco e a pessoa que está aplicando", sugere o especialista apontando que os fundos de renda fixa são aplicações bem mais seguras. "Elas não têm o potencial de rentabilidade que tem a renda variável, mas é mais segura diante desse momento de incertezas, inclusive do cenário internacional", alerta.
Sobre a melhor forma de utilizar o 13º salário, o economista explica que a Fecomércio sempre está interessada que o consumidor tenha a maior saúde financeira possível. "Então não interessa para o comércio vender muito hoje se isso vai representar uma dificuldade muito grande para os consumidores no ano que vem. Então é muito importante que o consumidor avalie a sua real capacidade financeira, façam suas compras, mas dentro do que é possível para não entrar em 2017 como consumidores endividados", orienta sobre a tendência de que a perspectiva é de que o maior uso do benefício seja para quitar dívidas, para poupar e em terceiro lugar para gastos.

A pesquisa divulgada pela Fecomércio que apontou o ranking da intenção de uso do 13º salário mostrou que em primeiro lugar está o pagamento de contas e em segundo lugar a poupança. 

O economista da Fecomércio Lucas Schifino  destaca que quanto ao investimento do 13º existe uma série de opções no mercado de aplicações disponíveis para os consumidores. "Eu recomendaria, principalmente neste momento de instabilidade da economia, que não se arrisque muito em opções de renda variável, são fundos de ações,  fundos que investem em taxa de câmbio, fundos que investem em opções do mercado que a gente não tem garantia de rentabilidade. A melhor opção neste momento são investimentos em renda fixa, sejam elas CDB título de governo, LCA, LCI, são todas opções que têm uma rentabilidade prépactuada entre o banco e a pessoa que está aplicando", sugere o especialista apontando que os fundos de renda fixa são aplicações bem mais seguras. "Elas não têm o potencial de rentabilidade que tem a renda variável, mas é mais segura diante desse momento de incertezas, inclusive do cenário internacional", alerta.

Sobre a melhor forma de utilizar o 13º salário, o economista explica que a Fecomércio sempre está interessada que o consumidor tenha a maior saúde financeira possível. "Então não interessa para o comércio vender muito hoje se isso vai representar uma dificuldade muito grande para os consumidores no ano que vem. Então é muito importante que o consumidor avalie a sua real capacidade financeira, façam suas compras, mas dentro do que é possível para não entrar em 2017 como consumidores endividados", orienta sobre a tendência de que a perspectiva é de que o maior uso do benefício seja para quitar dívidas, para poupar e em terceiro lugar para gastos.