\\ JORNAL DA MANHÃ \ Polícia

PC realiza ação contra neonazistas na região

Material apreendido pela Polícia Civil no decorrer da Operação Azov
Material apreendido pela Polícia Civil no decorrer da Operação Azov
Publicada em 09/12/2016.

 

A operação policial deflagrada pela Polícia Civil ontem em sete cidades do Rio Grande do Sul contra grupos neonazistas foi preventiva, conforme explica o delegado Paulo César Jardim. Ninguém foi preso. Um homem de 26 anos foi levado para prestar esclarecimentos, e materiais foram apreendidos.
O delegado diz que não havia informação de alguma ação concreta dos grupos, mas desde um contato de ucranianos há 10 meses, do qual a polícia teve conhecimento, a atenção redobrou. "Fomos em cima disso”, relatou.
"Uma pessoa veio [ao Rio Grande do Sul] para cooptar pessoas. Eles se apresentam como guerrilheiros urbanos, e iriam embora como guerrilheiros mercenários contra a Rússia”, completou Paulo César Jardim. Conforme a polícia, grupos de neonazistas gaúchos estariam sendo recrutados para participar da guerra civil na Ucrânia. O delegado, no entanto, preferiu não comentar o conteúdo do depoimento do homem ouvido ontem. Os mandados judiciais foram cumpridos dentro da operação Azov nas cidades de Viamão e Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e também em Passo Fundo e Erechim, no Norte, Caxias do Sul, na Serra, Cruz Alta, no Noroeste, e em São Nicolau, nas Missões.
Os grupos neonazistas em atuação no Estado têm atividades monitoradas há cerca de 15 anos, e por conta do conhecimento do potencial ofensivo dos integrantes, a polícia resolveu deflagrar a ação, por prevenção. "Seria o sonho de toda a polícia, de evitar que o pior acontecesse", frisou o delegado. "Esses grupos são conhecidos, por isso identificamos", acrescentou.
Ainda conforme Paulo César Jardim, o grupo ucraniano Misanthropic Division defende a supremacia branca e faz parte do batalhão Azov, que mantém os ideais nazistas em meio à guerra civil no Leste Europeu. Durante a operação, os policiais apreenderam material relacionado com o nazismo, 47 estojos de 9mm, propaganda de um grupo intitulado “White Power Sul Skin”, bem como publicações sobre Adolf Hittler.

A operação policial deflagrada pela Polícia Civil ontem em sete cidades do Rio Grande do Sul contra grupos neonazistas foi preventiva, conforme explica o delegado Paulo César Jardim. Ninguém foi preso. Um homem de 26 anos foi levado para prestar esclarecimentos, e materiais foram apreendidos.

O delegado diz que não havia informação de alguma ação concreta dos grupos, mas desde um contato de ucranianos há 10 meses, do qual a polícia teve conhecimento, a atenção redobrou. "Fomos em cima disso”, relatou.

"Uma pessoa veio [ao Rio Grande do Sul] para cooptar pessoas. Eles se apresentam como guerrilheiros urbanos, e iriam embora como guerrilheiros mercenários contra a Rússia”, completou Paulo César Jardim. Conforme a polícia, grupos de neonazistas gaúchos estariam sendo recrutados para participar da guerra civil na Ucrânia. O delegado, no entanto, preferiu não comentar o conteúdo do depoimento do homem ouvido ontem. Os mandados judiciais foram cumpridos dentro da operação Azov nas cidades de Viamão e Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e também em Passo Fundo e Erechim, no Norte, Caxias do Sul, na Serra, Cruz Alta, no Noroeste, e em São Nicolau, nas Missões.

Os grupos neonazistas em atuação no Estado têm atividades monitoradas há cerca de 15 anos, e por conta do conhecimento do potencial ofensivo dos integrantes, a polícia resolveu deflagrar a ação, por prevenção. "Seria o sonho de toda a polícia, de evitar que o pior acontecesse", frisou o delegado. "Esses grupos são conhecidos, por isso identificamos", acrescentou.

Ainda conforme Paulo César Jardim, o grupo ucraniano Misanthropic Division defende a supremacia branca e faz parte do batalhão Azov, que mantém os ideais nazistas em meio à guerra civil no Leste Europeu. Durante a operação, os policiais apreenderam material relacionado com o nazismo, 47 estojos de 9mm, propaganda de um grupo intitulado “White Power Sul Skin”, bem como publicações sobre Adolf Hittler.