\\ JORNAL DA MANHÃ \ Polícia

Roubos recentes sugerem aumento do sistema

É consenso entre os órgãos que sistema deva ser ampliado
É consenso entre os órgãos que sistema deva ser ampliado
Publicada em 08/12/2016.

 

A prefeitura municipal de Ijuí, em conjunto com o Sindilojas Nororeste, divulgou informações sobre a queda nos delitos patrimoniais na região de abrangência das câmeras de monitoramento. No entanto, há outra face dessa moeda: Dos últimos quatro delitos patrimoniais mais graves no município, três deles, pelo menos, aconteceram em pontos fora da área de cobertura do sisterma. 
Há pouco mais de um mês, um posto de combustíveis foi assaltado na baixada da Rua do Comércio, ao longo da madrugada. Duas semanas depois, outro posto, dessa vez na Rua Coronel Dico também foi alvo de arrombamento onde registrou um prejuízo, entre dinheiro, estrutura e material, superior a R$3mil. No último final de semana, um supermercado localizado no bairro Alvorada entrou para a estatística, menos de dois dias depois de uma lotérica na esquina das Ruas 13 de Maio, e Ernesto Alves. O roubo majorado na lotérica, inclusive, é o único que aparece, pelo menos, próximo dos "olhos" eletrônicos. 
Segundo exaltado pela prefeitura e representação lojista, caiu em 49% o número de ocorrências em pontos respectivamente cobertos pelas oito câmeras. "Sem sombra de dúvidas esses equipamentos acabam por inibir ações de criminosos", destacou o delegado Bruno Oliveira, que responde pelos delitos patrimoniais em Ijuí. Bruno, no entanto, acrescentou. "Com certeza a comunidade vem a ganhar caso isso (o aumento no número de câmeras) venha a ocorrer. Serão mais imagens e mais câmeras à disposição da polícia".
O Grupo JM esteve em contato com um empresário que possui o estabelecimento fora desse raio de alcance, que lembrou a necessidade de estender o alcance do sistema. "O que a gente sente, é que seriam necessárias mais câmeras para, realmente, se tornar algo mais efetivo. O meu estabelecimento é no Centro, mas ele não tem uma câmera próxima. Não é só o meu. Têm três ou quatro estabelecimentos potenciais para esse tipo de delito", pontuou o empresário que recentemente foi vítima de arrombamento.
Sobre os quatro delitos, quatro inquéritos foram abertos, e segundo o delegado Bruno Oliveira, os agentes seguem investigando. Até o fechamento da edição, ninguém havia sido preso.

A prefeitura municipal de Ijuí, em conjunto com o Sindilojas Nororeste, divulgou informações sobre a queda nos delitos patrimoniais na região de abrangência das câmeras de monitoramento. No entanto, há outra face dessa moeda: Dos últimos quatro delitos patrimoniais mais graves no município, três deles, pelo menos, aconteceram em pontos fora da área de cobertura do sisterma. 

Há pouco mais de um mês, um posto de combustíveis foi assaltado na baixada da Rua do Comércio, ao longo da madrugada. Duas semanas depois, outro posto, dessa vez na Rua Coronel Dico também foi alvo de arrombamento onde registrou um prejuízo, entre dinheiro, estrutura e material, superior a R$3mil. No último final de semana, um supermercado localizado no bairro Alvorada entrou para a estatística, menos de dois dias depois de uma lotérica na esquina das Ruas 13 de Maio, e Ernesto Alves. O roubo majorado na lotérica, inclusive, é o único que aparece, pelo menos, próximo dos "olhos" eletrônicos. 

Segundo exaltado pela prefeitura e representação lojista, caiu em 49% o número de ocorrências em pontos respectivamente cobertos pelas oito câmeras. "Sem sombra de dúvidas esses equipamentos acabam por inibir ações de criminosos", destacou o delegado Bruno Oliveira, que responde pelos delitos patrimoniais em Ijuí. Bruno, no entanto, acrescentou. "Com certeza a comunidade vem a ganhar caso isso (o aumento no número de câmeras) venha a ocorrer. Serão mais imagens e mais câmeras à disposição da polícia".

O Grupo JM esteve em contato com um empresário que possui o estabelecimento fora desse raio de alcance, que lembrou a necessidade de estender o alcance do sistema. "O que a gente sente, é que seriam necessárias mais câmeras para, realmente, se tornar algo mais efetivo. O meu estabelecimento é no Centro, mas ele não tem uma câmera próxima. Não é só o meu. Têm três ou quatro estabelecimentos potenciais para esse tipo de delito", pontuou o empresário que recentemente foi vítima de arrombamento.

Sobre os quatro delitos, quatro inquéritos foram abertos, e segundo o delegado Bruno Oliveira, os agentes seguem investigando. Até o fechamento da edição, ninguém havia sido preso.