\\ JORNAL DA MANHÃ \ Saúde

Mais de 18 toneladas são retiradas das ruas

Rinaldo Pezzetta e Márcia Boniatti participaram do programa Madrugada JM, da Rádio Jornal da Manhã, ontem
Rinaldo Pezzetta e Márcia Boniatti participaram do programa Madrugada JM, da Rádio Jornal da Manhã, ontem
Publicada em 05/12/2016.

 

O Dia D de Combate à Dengue, realizado ontem, deu a largada para realização de ações para eliminação de focos do Aedes aegypti no País. No entanto, Ijuí já se adiantou às atividades, com a realização de dois mutirões de Limpeza em mais de 20 pontos críticos onde há o depósito irregular de lixo. A ação, promovida pela Vigilância Ambiental, acontece há mais de 30 dias, dividida em duas frentes de trabalho: uma em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio dos agentes comunitários de saúde, em que há visita nas residências; e outra em parceria com os agentes epidemiológicos e exército, eliminando os lixões clandestinos.
Já foram realizadas mais de 80 mil visitas, pelos 38 agentes epidemiológicos, a residências e pontos estratégicos, e outras 24 mil visitas foram realizadas pelos agentes de saúde. A partir disso, foram encontrados e eliminados mais de quatro mil focos do mosquito. “Apesar de tudo que aconteceu, da epidemia, do surto de pessoas, ainda encontramos focos”, lamenta o coordenador da Vigilância Ambiental de Ijuí, Rinaldo Pezzetta. Ao todo, já foram retirados do meio ambiente mais de 18 mil kg de materiais que poderiam acumular água e servir de criadouro do vetor. “Mesmo assim, necessitamos que a população faça a sua parte.”
O maior número de criadouros encontrados ainda são os pequenos depósitos nos quintais das residências. “Historicamente, a região Sul tem um índice mais alto, começa no São Paulo e vai até o Pindorama”, acrescenta. “Não existe milagre e não há outra coisa a se fazer, a não ser eliminar criadouros do mosquito.”
A titular da SMS, Márcia Boniatti, reforçou o alerta para a importância da eliminação do Aedes aegypti. “Estamos atendendo ao chamamento do ministro da Saúde, do secretário estadual da Saúde, porque em outros tempos falávamos só da Dengue, agora temos a Zika e Chikungnya, que estavam tão longe e agora estão chegando perto de nós”, salienta. “Enquanto agentes públicos estamos fazendo a nossa parte, estamos trabalhando, não queremos ver ninguém doente, porque os sintomas, quem já teve a doença disse que, são terríveis.”
Paralelo a isso, as equipes das unidades básicas de saúde do Município estão recebendo capacitação relacionada aos sintomas das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti para realizar o primeiro atendimento. “Então, a população que tem algum sintoma, a primeira coisa que tem que fazer é procurar a sua unidade básica de saúde, que dará a orientação”, alerta acrescentado que foram confirmados 331 casos de Dengue em Ijuí. Mas, foram mais de 800 casos suspeitos para a doença.
“Em 2010 foram mais de três mil casos de Dengue confirmados, isso sem falar das pessoas que tiveram a doença sem apresentar os sintomas, por isso acreditamos que tenha passado de cinco mil casos naquele ano”, lembra Pezzetta.
Finalizando a visita ao Grupo JM, na manhã de ontem, Márcia lembrou à população sobre a campanha nacional permanente Sexta-feira sem mosquito. “Na hora de realizar a faxina do fim de semana, vamos olhar o nosso quintal também”, disse.

O Dia D de Combate à Dengue, realizado na última sexta, deu a largada para realização de ações para eliminação de focos do Aedes aegypti no País. No entanto, Ijuí já se adiantou às atividades, com a realização de dois mutirões de Limpeza em mais de 20 pontos críticos onde há o depósito irregular de lixo. A ação, promovida pela Vigilância Ambiental, acontece há mais de 30 dias, dividida em duas frentes de trabalho: uma em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio dos agentes comunitários de saúde, em que há visita nas residências; e outra em parceria com os agentes epidemiológicos e exército, eliminando os lixões clandestinos.

Já foram realizadas mais de 80 mil visitas, pelos 38 agentes epidemiológicos, a residências e pontos estratégicos, e outras 24 mil visitas foram realizadas pelos agentes de saúde. A partir disso, foram encontrados e eliminados mais de quatro mil focos do mosquito. “Apesar de tudo que aconteceu, da epidemia, do surto de pessoas, ainda encontramos focos”, lamenta o coordenador da Vigilância Ambiental de Ijuí, Rinaldo Pezzetta. Ao todo, já foram retirados do meio ambiente mais de 18 mil kg de materiais que poderiam acumular água e servir de criadouro do vetor. “Mesmo assim, necessitamos que a população faça a sua parte.”

O maior número de criadouros encontrados ainda são os pequenos depósitos nos quintais das residências. “Historicamente, a região Sul tem um índice mais alto, começa no São Paulo e vai até o Pindorama”, acrescenta. “Não existe milagre e não há outra coisa a se fazer, a não ser eliminar criadouros do mosquito.”

A titular da SMS, Márcia Boniatti, reforçou o alerta para a importância da eliminação do Aedes aegypti. “Estamos atendendo ao chamamento do ministro da Saúde, do secretário estadual da Saúde, porque em outros tempos falávamos só da Dengue, agora temos a Zika e Chikungnya, que estavam tão longe e agora estão chegando perto de nós”, salienta. “Enquanto agentes públicos estamos fazendo a nossa parte, estamos trabalhando, não queremos ver ninguém doente, porque os sintomas, quem já teve a doença disse que, são terríveis.”

Paralelo a isso, as equipes das unidades básicas de saúde do Município estão recebendo capacitação relacionada aos sintomas das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti para realizar o primeiro atendimento. “Então, a população que tem algum sintoma, a primeira coisa que tem que fazer é procurar a sua unidade básica de saúde, que dará a orientação”, alerta acrescentado que foram confirmados 331 casos de Dengue em Ijuí. Mas, foram mais de 800 casos suspeitos para a doença.

“Em 2010 foram mais de três mil casos de Dengue confirmados, isso sem falar das pessoas que tiveram a doença sem apresentar os sintomas, por isso acreditamos que tenha passado de cinco mil casos naquele ano”, lembra Pezzetta.

Finalizando a visita ao Grupo JM, na manhã de ontem, Márcia lembrou à população sobre a campanha nacional permanente Sexta-feira sem mosquito. “Na hora de realizar a faxina do fim de semana, vamos olhar o nosso quintal também”, disse.