\\ JORNAL DA MANHÃ \ COLUNISTA \ Renato Marsiglia

Legado Olímpico

Publicada em 23/08/2016.

 

LEGADO OLÍMPICO
Fizemos uma Olimpíada bonita, alegre e humana. Agora fica a pergunta: qual o projeto esportivo deste país, que gasta muito dinheiro público e gasta mal? O modelo assistencialista que vigora no Brasil desde sempre, continuará vigorando no esporte? Penso ser este o momento adequado para colocarmos em prática a verdadeira função do esporte como elemento de transformação da sociedade. A escola ensina, mas quem educa é o esporte. O investimento nesta área tem que ser maciço para que ambos andem juntos ou  ficaremos limitados a contar medalhas em cada Olimpíada como se isto fosse realmente importante.
FUTEBOL OLÍMPICO - 1
É triste saber que para a maior parte dos brasileiros, o ouro do futebol masculino foi o momento mais importante do Brasil nos Jogos Olímpicos. Para mim, tem muito menos valor que os ouros de Rafaela Silva (Judô), Thiago Braz (saldo com vara) e as três medalhas em canoagem do super-herói Isaquias Queiroz. Ao contrário dos outros esportes, que vêm com força total, o futebol masculino é sub-23, e nem mesmo os melhores dentro desta faixa etária vieram. O Brasil foi o único a levar a sério, o que fez com que o nível técnico fosse ridículo se comparado com uma Copa do Mundo
FUTEBOL OLÍMPICO - 2
Isso não significa que a conquista deve ser desmerecida. Pelo contrário: o time resgatou a autoestima do torcedor, tão dilacerada pela sequência de fiascos em Copas do Mundo e nas últimas edições da Copa América. Só não me venham com o grito de "o campeão voltou" porque estamos longe de ser os melhores do mundo. Este grito fica muito bem para o vôlei, que foi ouro em Atenas (2004) e vinha de medalhas de prata em Pequim e Londres, mais três pratas na Liga Mundial, uma no Campeonato Mundial e outra no Pan-Americano/2015. No vôlei, realmente voltamos a ser os melhores do mundo.
GRÊMIO E INTER TROPEÇAM
Ambos naufragaram no final de semana, cada um dentro de seus objetivos. O Tricolor, mesmo desfalcado, poderia ter feito mais contra o Flamengo. Fez tão menos, que Marcelo Grohe foi o melhor em campo da mesma forma que havia sido  contra o contra o Corinthians. Na época alertei que o resultado tinha sido enganoso. Já o Inter apresentou melhoras na produção, mas continuou ruim de resultado. Merecia ter ganho, mas a fase é tão triste que desperdiça pênalti no último minuto. Como não há nada que esteja ruim que não possa piorar, o time já tem pontuação de Z-4. Meeeeu Deeeus !!!!

Fizemos uma Olimpíada bonita, alegre e humana. Agora fica a pergunta: qual o projeto esportivo deste país, que gasta muito dinheiro público e gasta mal? O modelo assistencialista que vigora no Brasil desde sempre, continuará vigorando no esporte? Penso ser este o momento adequado para colocarmos em prática a verdadeira função do esporte como elemento de transformação da sociedade. A escola ensina, mas quem educa é o esporte. O investimento nesta área tem que ser maciço para que ambos andem juntos ou  ficaremos limitados a contar medalhas em cada Olimpíada como se isto fosse realmente importante.

 

FUTEBOL OLÍMPICO - 1

É triste saber que para a maior parte dos brasileiros, o ouro do futebol masculino foi o momento mais importante do Brasil nos Jogos Olímpicos. Para mim, tem muito menos valor que os ouros de Rafaela Silva (Judô), Thiago Braz (saldo com vara) e as três medalhas em canoagem do super-herói Isaquias Queiroz. Ao contrário dos outros esportes, que vêm com força total, o futebol masculino é sub-23, e nem mesmo os melhores dentro desta faixa etária vieram. O Brasil foi o único a levar a sério, o que fez com que o nível técnico fosse ridículo se comparado com uma Copa do Mundo

 

FUTEBOL OLÍMPICO - 2

Isso não significa que a conquista deve ser desmerecida. Pelo contrário: o time resgatou a autoestima do torcedor, tão dilacerada pela sequência de fiascos em Copas do Mundo e nas últimas edições da Copa América. Só não me venham com o grito de "o campeão voltou" porque estamos longe de ser os melhores do mundo. Este grito fica muito bem para o vôlei, que foi ouro em Atenas (2004) e vinha de medalhas de prata em Pequim e Londres, mais três pratas na Liga Mundial, uma no Campeonato Mundial e outra no Pan-Americano/2015. No vôlei, realmente voltamos a ser os melhores do mundo.

 

GRÊMIO E INTER TROPEÇAM

Ambos naufragaram no final de semana, cada um dentro de seus objetivos. O Tricolor, mesmo desfalcado, poderia ter feito mais contra o Flamengo. Fez tão menos, que Marcelo Grohe foi o melhor em campo da mesma forma que havia sido  contra o contra o Corinthians. Na época alertei que o resultado tinha sido enganoso. Já o Inter apresentou melhoras na produção, mas continuou ruim de resultado. Merecia ter ganho, mas a fase é tão triste que desperdiça pênalti no último minuto. Como não há nada que esteja ruim que não possa piorar, o time já tem pontuação de Z-4. Meeeeu Deeeus !!!!