\\ JORNAL DA MANHÃ \ COLUNISTA \ Marcelo Blume

Mais clientes ou Melhores clientes

Publicada em 19/08/2016.

 

Você já parou para pensar se é melhor ter o maior número de clientes, ou ter os melhores clientes? Volume de clientes é importante para muitos negócios, no entanto, para a manutenção e o futuro dos negócios a qualidade dos clientes é fundamental. Na sequencia, vem outra questão: o que a sua empresa faz de significativo, para manter e atrair os melhores clientes? 
Uma das situações que as consultorias em estratégias de mercado buscam corrigir para seus clientes é o volume de investimentos em atração de novos clientes, em relação aos investimentos em manutenção dos clientes atuais, considerando a forma como são tratados os melhores clientes da empresa. Com ou sem auxílio de uma consultoria, procure analisar quanto a sua organização investe em manter quem já é cliente, principalmente os melhores, evitando que busquem outras soluções e novidades em outros lugares. Para ser mais objetivo, é imprescindível uma análise criteriosa de quanto é investido em tempo, recursos financeiros, ações, esforço da equipe, para manter os melhores clientes. Uma das questões primordiais para se entender depois que qualquer negócio esteja estruturado, é que são os BONS clientes que garantem o desenvolvimento e a sobrevivência da organização! Quantos eles são? Quem eles são? Porque eles são os melhores clientes? Antes de avaliar esta relação de investimentos, procure definir exatamente o que é um bom cliente para o negócio. Depois, invista nestes, que certamente auxiliarão a trazer outros, e o melhor: gratuitamente. 
Richard Whiteley diz que as organizações incapazes de se relacionar bem com seus clientes a ponto de mantê-los por longo tempo, gastam muito dinheiro simplesmente para substituir os clientes que estão perdendo. Tem muitas empresas fazendo isso, mas cá entre nós, é irracional. 
Aumentar os índices de satisfação dos clientes com o negócio é apenas o primeiro passo para fidelizar um número interessante de clientes. É preciso se dar conta de que clientes altamente satisfeitos podem ser extremamente fiéis, SE e apenas SE não aparecer nada melhor! Para ter clientes fiéis, é preciso ser a melhor opção destas pessoas, dando a certeza de que lhes será oferecido sempre o melhor. Não há cliente fiel que resista ao se dar conta de que as novidades, os melhores produtos e as melhores condições estão sempre na concorrência. 
Fidelidade não se compra, se conquista com prestação de serviços, atendimento personalizado e satisfação das necessidades, superando as expectativas do cliente. É preciso encantar com conteúdo antes, durante e depois da compra, para abrir o coração do cliente, para que então, ele abra a carteira.
É muito mais importante garantir que o cliente volte, ou que seja possível um novo contato, do que forçar uma venda que no futuro possa gerar alguma barreira para o cliente voltar a visitar ou consultar a empresa. Em cada contato é preciso aprender mais alguma coisa sobre o cliente. A equipe precisa ser lembrada de tratar o cliente da mesma forma como gostariam de ser tratados, refletindo sempre se o cliente saiu satisfeito. 
Uma equipe que se relaciona bem com os clientes deve demonstrar interesse sincero e vibrar com satisfação dos clientes. É preciso viver uma história de relacionamentos, criando laços duradouros com aqueles que a organização deseja manter ao longo da vida. 

Você já parou para pensar se é melhor ter o maior número de clientes, ou ter os melhores clientes? Volume de clientes é importante para muitos negócios, no entanto, para a manutenção e o futuro dos negócios a qualidade dos clientes é fundamental. Na sequencia, vem outra questão: o que a sua empresa faz de significativo, para manter e atrair os melhores clientes? 

Uma das situações que as consultorias em estratégias de mercado buscam corrigir para seus clientes é o volume de investimentos em atração de novos clientes, em relação aos investimentos em manutenção dos clientes atuais, considerando a forma como são tratados os melhores clientes da empresa. Com ou sem auxílio de uma consultoria, procure analisar quanto a sua organização investe em manter quem já é cliente, principalmente os melhores, evitando que busquem outras soluções e novidades em outros lugares. Para ser mais objetivo, é imprescindível uma análise criteriosa de quanto é investido em tempo, recursos financeiros, ações, esforço da equipe, para manter os melhores clientes. Uma das questões primordiais para se entender depois que qualquer negócio esteja estruturado, é que são os BONS clientes que garantem o desenvolvimento e a sobrevivência da organização! Quantos eles são? Quem eles são? Porque eles são os melhores clientes? Antes de avaliar esta relação de investimentos, procure definir exatamente o que é um bom cliente para o negócio. Depois, invista nestes, que certamente auxiliarão a trazer outros, e o melhor: gratuitamente. 

Richard Whiteley diz que as organizações incapazes de se relacionar bem com seus clientes a ponto de mantê-los por longo tempo, gastam muito dinheiro simplesmente para substituir os clientes que estão perdendo. Tem muitas empresas fazendo isso, mas cá entre nós, é irracional. 

Aumentar os índices de satisfação dos clientes com o negócio é apenas o primeiro passo para fidelizar um número interessante de clientes. É preciso se dar conta de que clientes altamente satisfeitos podem ser extremamente fiéis, SE e apenas SE não aparecer nada melhor! Para ter clientes fiéis, é preciso ser a melhor opção destas pessoas, dando a certeza de que lhes será oferecido sempre o melhor. Não há cliente fiel que resista ao se dar conta de que as novidades, os melhores produtos e as melhores condições estão sempre na concorrência. 

Fidelidade não se compra, se conquista com prestação de serviços, atendimento personalizado e satisfação das necessidades, superando as expectativas do cliente. É preciso encantar com conteúdo antes, durante e depois da compra, para abrir o coração do cliente, para que então, ele abra a carteira.

É muito mais importante garantir que o cliente volte, ou que seja possível um novo contato, do que forçar uma venda que no futuro possa gerar alguma barreira para o cliente voltar a visitar ou consultar a empresa. Em cada contato é preciso aprender mais alguma coisa sobre o cliente. A equipe precisa ser lembrada de tratar o cliente da mesma forma como gostariam de ser tratados, refletindo sempre se o cliente saiu satisfeito. 

Uma equipe que se relaciona bem com os clientes deve demonstrar interesse sincero e vibrar com satisfação dos clientes. É preciso viver uma história de relacionamentos, criando laços duradouros com aqueles que a organização deseja manter ao longo da vida.