\\ JORNAL DA MANHÃ \ COLUNISTA \ David dos Santos

4º Encontro Estadual de Peritos Contábeis do RS

Publicada em 09/08/2016.

 

Revestiu-se de amplo sucesso, forte nas avaliações da APEJUST, nos feedback que recebemos, da participação de colegas de Santa Catarina e Rio de Janeiro, o evento realizado na última sexta-feira em Porto Alegre, promovido pela Comissão de Estudos de Perícias Contábeis do CRC/RS.
Participação da vice-presidente do CRC/RS Contadora Ana Tércia de Lima, e sob a coordenação do contador Edi Siqueira, tivemos como primeiro palestrante o Juiz da Vara do Trabalho Dr. Luiz Antonio Colussi, que abordou o tema “A Importância do Perito Contábil na Justiça do Trabalho”, salientando que devemos escolher o que se gosta de fazer, tornar-se um especialista na área, e no processo de crescimento profissão, pensar nas melhores formas de rentabilizar o próprio talento.
Falou também o magistrado na responsabilidade do Perito, perante o seu órgão de classe, perante o Juiz – visto que se perder a confiança do Juiz, difícil é recuperá-la – e perante a sociedade.
Na segunda palestra tivemos os contadores Rosana e Martins Lavies Spellmeier abordando o assunto “O Perito e o Sistema Financeiro Habitacional”, interessante tema, destacando alguns itens, como: Quesito deferido tem que ser respondido, mesmo que vá em contrário às cláusulas contratuais; nem sempre o Laudo Pericial é base da sentença, visto os quesitos serem das partes; em 2015 13.017 imóveis foram ofertados em leilão motivados pela perda desses imóveis face ao atraso no pagamento das prestações pelos mutuários, e, finalmente abordaram os diferentes métodos de correção dos financiamentos, que são o SAC, GAUSS, PRICE e JUROS SIMPLES, mostrando exemplo de um financiamento de: R$ 150.000,00, prazo pagamento 120 meses, juros 9,9% AA.
A seguir com muita informação contábil, mas com uma leveza própria das mulheres, traduzida na palavra CHARME: Conhecimento, Habilidade, Atitude, Resultado, Motivação e Entusiasmo, aconteceu o TALK SHOW, conduzido pela colega Grace S. Gehling como debatedoras as contadoras Silvia Cavalcante e Sandra Batista do Conselho Federal de Contabilidade, que falaram sobre “Como as Inovações do CPC afetam a Pericia e a Exigência do Cadastro Nacional de Peritos Contábeis”.
Enfocaram as inovações advindas da Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015, ou seja, o novo Código de Processo Civil sobre os aspectos da perícia judicial.
A participação do Perito Judicial, como auxiliar da justiça, é de grande relevância na prestação jurisdicional quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico.
Sobre a nomeação do perito, pois traz a possibilidade de nomear um órgão científico ou técnico, especificando os nomes dos profissionais indicados, e, determina também que os tribunais deverão manter um cadastro dos referidos profissionais, forte no art. 156 do NCPC, “O juiz será assistido por perito quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico”.
A missão do Perito é estar qualificado para criação do justo, trazer luz a obscuridade dos fatos, permitindo ao Juiz fundamentar suas decisões, com base no Laudo Pericial Contábil.
Revestiu-se de amplo sucesso, forte nas avaliações da APEJUST, nos feedback que recebemos, da participação de colegas de Santa Catarina e Rio de Janeiro, o evento realizado na última sexta-feira em Porto Alegre, promovido pela Comissão de Estudos de Perícias Contábeis do CRC/RS.
Participação da vice-presidente do CRC/RS Contadora Ana Tércia de Lima, e sob a coordenação do contador Edi Siqueira, tivemos como primeiro palestrante o Juiz da Vara do Trabalho Dr. Luiz Antonio Colussi, que abordou o tema “A Importância do Perito Contábil na Justiça do Trabalho”, salientando que devemos escolher o que se gosta de fazer, tornar-se um especialista na área, e no processo de crescimento profissão, pensar nas melhores formas de rentabilizar o próprio talento.
Falou também o magistrado na responsabilidade do Perito, perante o seu órgão de classe, perante o Juiz – visto que se perder a confiança do Juiz, difícil é recuperá-la – e perante a sociedade.
Na segunda palestra tivemos os contadores Rosana e Martins Lavies Spellmeier abordando o assunto “O Perito e o Sistema Financeiro Habitacional”, interessante tema, destacando alguns itens, como: Quesito deferido tem que ser respondido, mesmo que vá em contrário às cláusulas contratuais; nem sempre o Laudo Pericial é base da sentença, visto os quesitos serem das partes; em 2015 13.017 imóveis foram ofertados em leilão motivados pela perda desses imóveis face ao atraso no pagamento das prestações pelos mutuários, e, finalmente abordaram os diferentes métodos de correção dos financiamentos, que são o SAC, GAUSS, PRICE e JUROS SIMPLES, mostrando exemplo de um financiamento de: R$ 150.000,00, prazo pagamento 120 meses, juros 9,9% AA.
A seguir com muita informação contábil, mas com uma leveza própria das mulheres, traduzida na palavra CHARME: Conhecimento, Habilidade, Atitude, Resultado, Motivação e Entusiasmo, aconteceu o TALK SHOW, conduzido pela colega Grace S. Gehling como debatedoras as contadoras Silvia Cavalcante e Sandra Batista do Conselho Federal de Contabilidade, que falaram sobre “Como as Inovações do CPC afetam a Pericia e a Exigência do Cadastro Nacional de Peritos Contábeis”.
Enfocaram as inovações advindas da Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015, ou seja, o novo Código de Processo Civil sobre os aspectos da perícia judicial.
A participação do Perito Judicial, como auxiliar da justiça, é de grande relevância na prestação jurisdicional quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico.
Sobre a nomeação do perito, pois traz a possibilidade de nomear um órgão científico ou técnico, especificando os nomes dos profissionais indicados, e, determina também que os tribunais deverão manter um cadastro dos referidos profissionais, forte no art. 156 do NCPC, “O juiz será assistido por perito quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico”.
A missão do Perito é estar qualificado para criação do justo, trazer luz a obscuridade dos fatos, permitindo ao Juiz fundamentar suas decisões, com base no Laudo Pericial Contábil.