\\ JORNAL DA MANHÃ \ COLUNISTA \ Renato Marsiglia

Inter em queda livre

Publicada em 19/07/2016.

 

INTER EM QUEDA LIVRE
Perder para o Palmeiras não tem nada de extraordinário. O problema é quando a derrota vem acompanhada de outras cinco, fazendo com que o time some um mísero ponto nos últimos vinte e um disputados. Falcão conseguiu introduzir uma marcação mais compacta com duas linhas de quatro, mas a inoperância do ataque foi fatal. Além de não chutar a gol, os atacantes colorados sequer seguram a bola lá na frente, fazendo com que o resto do time leve sufoco o jogo inteiro. O Inter escapou do pior.
A PROPÓSITO...
O problema principal do Inter é falta de qualidade e quantidade do plantel. Na hora decisiva, a qualidade fará sempre a diferença e o Palmeiras é imensamente superior. Como não há nada que esteja ruim que não possa piorar, a seqüência colorada é terrível: Ponte Preta (F), Corinthians (C), Cruzeiro (F) e Fluminense (C) para fechar o turno. Abre o returno contra a Chapecoense (F). Se não somar dez pontos destes quinze, dará adeus à possibilidade de G-4 e deverá focar o ano na Copa do Brasil.
GRÊMIO DECEPCIONA
EM RECIFE
Todos esperavam uma atuação que levasse a uma vitória contra o penúltimo colocado do Brasileirão. A bola na trave de Luan logo no início deu esta impressão, mas ficou nisso. O Grêmio subestimou o Sport e quando viu, perdia por 2 x 0. Bastou apertar o ritmo para logo empatar no segundo tempo, mas a falta de concentração ou nome que queiram dar, liquidou a partida a favor do time pernambucano. Foram três pontos perdidos e o distanciamento da ponta da tabela. Em pontos corridos, qualquer descuido traz prejuízos irrecuperáveis.
A TRAGÉDIA DA BOLA AÉREA
O Sport-PE foi quatro vezes ao gol do Grêmio e fez quatro gols, ou seja, 100% de aproveitamento. A bola alçada na área virou um terror para zaga gremista. Duvido que outra equipe seja tão deficiente neste fundamento. Roger Machado diz que treinam à exaustão. O leitor Airton Poll, de Santa Cruz do Sul, não sei se falando sério ou ironizando, sugere a contratação de um técnico de basquete para ensinar os zagueiros gremistas a marcarem, pois marcam somente a bola e deixam o adversário livre. Nunca pensei nesta possibilidade, mas tem alguma lógica. 

Perder para o Palmeiras não tem nada de extraordinário. O problema é quando a derrota vem acompanhada de outras cinco, fazendo com que o time some um mísero ponto nos últimos vinte e um disputados. Falcão conseguiu introduzir uma marcação mais compacta com duas linhas de quatro, mas a inoperância do ataque foi fatal. Além de não chutar a gol, os atacantes colorados sequer seguram a bola lá na frente, fazendo com que o resto do time leve sufoco o jogo inteiro. O Inter escapou do pior.

 

A PROPÓSITO...

O problema principal do Inter é falta de qualidade e quantidade do plantel. Na hora decisiva, a qualidade fará sempre a diferença e o Palmeiras é imensamente superior. Como não há nada que esteja ruim que não possa piorar, a seqüência colorada é terrível: Ponte Preta (F), Corinthians (C), Cruzeiro (F) e Fluminense (C) para fechar o turno. Abre o returno contra a Chapecoense (F). Se não somar dez pontos destes quinze, dará adeus à possibilidade de G-4 e deverá focar o ano na Copa do Brasil.

 

GRÊMIO DECEPCIONA

EM RECIFE

Todos esperavam uma atuação que levasse a uma vitória contra o penúltimo colocado do Brasileirão. A bola na trave de Luan logo no início deu esta impressão, mas ficou nisso. O Grêmio subestimou o Sport e quando viu, perdia por 2 x 0. Bastou apertar o ritmo para logo empatar no segundo tempo, mas a falta de concentração ou nome que queiram dar, liquidou a partida a favor do time pernambucano. Foram três pontos perdidos e o distanciamento da ponta da tabela. Em pontos corridos, qualquer descuido traz prejuízos irrecuperáveis.

 

A TRAGÉDIA DA BOLA AÉREA

O Sport-PE foi quatro vezes ao gol do Grêmio e fez quatro gols, ou seja, 100% de aproveitamento. A bola alçada na área virou um terror para zaga gremista. Duvido que outra equipe seja tão deficiente neste fundamento. Roger Machado diz que treinam à exaustão. O leitor Airton Poll, de Santa Cruz do Sul, não sei se falando sério ou ironizando, sugere a contratação de um técnico de basquete para ensinar os zagueiros gremistas a marcarem, pois marcam somente a bola e deixam o adversário livre. Nunca pensei nesta possibilidade, mas tem alguma lógica.