\\ JORNAL DA MANHÃ \ COLUNISTA \ David dos Santos

Relato de uma viagem de férias

Publicada em 08/03/2016.

 

Convidados que fomos por casais de amigos de Condor/RS, planejamos e enfim realizamos um cruzeiro ao famoso cartão-postal de Cartagena, o Mar do Caribe, com suas belas Ilhas de Curaçao e Aruba. Saindo da linda e histórica Cartagena de Índias, Colômbia, estendemos nosso passeio pela combalida Venezuela e pelo Panamá, onde visitamos uma das maiores obras de engenharia mundial, o Canal de Panamá, com sua eclusa de Gatun, no momento pontual da abertura e passagem de um navio cargueiro. Criado para conectar o Oceano Atlântico ao Pacífico, com o objetivo de facilitar o comércio marítimo internacional, sua construção foi iniciada pelos franceses em 1881. Contudo, devido a uma série de problemas de engenharia e ao grande número de vítimas por conta de doenças tropicais, as obras foram paradas até que, em 1904, os EUA assumiram os trabalhos.
Após três conexões (P. Alegre x Lima x Medellín) chegamos a Cartagena, onde estava atracado o Navio Monarch, da Pullmantur. Com seus onze andares, com as mais diversas opções de divertimento, nos diferentes decks, cassino, bares, teatro, academia, museu e, claro, o convés, onde uma centena de cadeiras espalhadas para tomar sol convidavam para curtir a vista do mar caribenho junto às piscinas do navio. Nem precisa dizer do atendimento cordial e atencioso dos mais de 800 membros da tripulação.
Um destino com combinações perfeitas: riquezas naturais acompanhadas do mar azul (ou verde?) e vibrante, das ondas brancas, resorts e hotéis de luxo, e no navio uma excelente cozinha e infinitas opções de atividades de lazer.
As ilhas de Aruba e Curaçao, que fazem parte das Ilhas ABC, junto com Bonaire, antes eram chamadas de Antilhas Holandesas, e apesar de terem ligação direta à Holanda, o que vemos são as influências americanas, como grandes hotéis, cassinos e lojas de marca. A maioria da população é negra e fala, além do papiamento e holandês, que é o idioma oficial, inglês e espanhol muito bem. Cartagena é uma cidade histórica, que durante o período colonial foi à porta de entrada de todo o tesouro espanhol e por isso alvo de ataques estrangeiros, possui várias atrações turísticas como o castelo de San Felipe de Barajas, a “Cidade Amuralhada” que é a parte antiga da cidade e rodeada por muro alto e canhões apontando para o mar, e que conserva a arquitetura colonial, com casas de sacadas floridas e suas ruas estreitas, museus e praças. Considerada a cidade mais linda e segura da Colômbia, cada um dos um milhão e duzentos mil moradores outorgam-se responsáveis pela segurança dos turistas. A Colômbia é a maior produtora de esmeraldas  (quase tive que comprar uma para  a consorte), também produz banana, couro e orquídeas. 
Visitamos o castelo de San Felipe de Barajas, construído basicamente com recifes de coral, com mais de 40 metros de altura é considerada a maior obra militar espanhola no continente americano, com suas galerias subterrâneas, um verdadeiro labirinto que dificultava a vida dos invasores, principalmente os ingleses, que eram muito altos para os túneis que são baixos. Teve um papel importante em várias invasões no passado e hoje é um dos principais atrativos turísticos de Cartagena.
Curaçao é uma daqueles destinos dos sonhos no Caribe, mar azul turquesa, praia de areia branquinha, arquitetura holandesa lindamente conservada. Cidade charmosa, cheias de casinhas coloridas. A moeda oficial é o Florim, sua conversão para o dólar é na base de 1U$ para 2.800 Florins.
Na próxima coluna falarei sobre outros pontos visitados e da República Bolivariana da Venezuela.

Convidados que fomos por casais de amigos de Condor/RS, planejamos e enfim realizamos um cruzeiro ao famoso cartão-postal de Cartagena, o Mar do Caribe, com suas belas Ilhas de Curaçao e Aruba. Saindo da linda e histórica Cartagena de Índias, Colômbia, estendemos nosso passeio pela combalida Venezuela e pelo Panamá, onde visitamos uma das maiores obras de engenharia mundial, o Canal de Panamá, com sua eclusa de Gatun, no momento pontual da abertura e passagem de um navio cargueiro. Criado para conectar o Oceano Atlântico ao Pacífico, com o objetivo de facilitar o comércio marítimo internacional, sua construção foi iniciada pelos franceses em 1881. Contudo, devido a uma série de problemas de engenharia e ao grande número de vítimas por conta de doenças tropicais, as obras foram paradas até que, em 1904, os EUA assumiram os trabalhos.

Após três conexões (P. Alegre x Lima x Medellín) chegamos a Cartagena, onde estava atracado o Navio Monarch, da Pullmantur. Com seus onze andares, com as mais diversas opções de divertimento, nos diferentes decks, cassino, bares, teatro, academia, museu e, claro, o convés, onde uma centena de cadeiras espalhadas para tomar sol convidavam para curtir a vista do mar caribenho junto às piscinas do navio. Nem precisa dizer do atendimento cordial e atencioso dos mais de 800 membros da tripulação.

Um destino com combinações perfeitas: riquezas naturais acompanhadas do mar azul (ou verde?) e vibrante, das ondas brancas, resorts e hotéis de luxo, e no navio uma excelente cozinha e infinitas opções de atividades de lazer.

As ilhas de Aruba e Curaçao, que fazem parte das Ilhas ABC, junto com Bonaire, antes eram chamadas de Antilhas Holandesas, e apesar de terem ligação direta à Holanda, o que vemos são as influências americanas, como grandes hotéis, cassinos e lojas de marca. A maioria da população é negra e fala, além do papiamento e holandês, que é o idioma oficial, inglês e espanhol muito bem. Cartagena é uma cidade histórica, que durante o período colonial foi à porta de entrada de todo o tesouro espanhol e por isso alvo de ataques estrangeiros, possui várias atrações turísticas como o castelo de San Felipe de Barajas, a “Cidade Amuralhada” que é a parte antiga da cidade e rodeada por muro alto e canhões apontando para o mar, e que conserva a arquitetura colonial, com casas de sacadas floridas e suas ruas estreitas, museus e praças. Considerada a cidade mais linda e segura da Colômbia, cada um dos um milhão e duzentos mil moradores outorgam-se responsáveis pela segurança dos turistas. A Colômbia é a maior produtora de esmeraldas  (quase tive que comprar uma para  a consorte), também produz banana, couro e orquídeas. 

Visitamos o castelo de San Felipe de Barajas, construído basicamente com recifes de coral, com mais de 40 metros de altura é considerada a maior obra militar espanhola no continente americano, com suas galerias subterrâneas, um verdadeiro labirinto que dificultava a vida dos invasores, principalmente os ingleses, que eram muito altos para os túneis que são baixos. Teve um papel importante em várias invasões no passado e hoje é um dos principais atrativos turísticos de Cartagena.

Curaçao é uma daqueles destinos dos sonhos no Caribe, mar azul turquesa, praia de areia branquinha, arquitetura holandesa lindamente conservada. Cidade charmosa, cheias de casinhas coloridas. A moeda oficial é o Florim, sua conversão para o dólar é na base de 1U$ para 2.800 Florins.

Na próxima coluna falarei sobre outros pontos visitados e da República Bolivariana da Venezuela.