\\ JORNAL DA MANHÃ \ Região

"Nosso movimento não vai parar sem solução"

Protestos iniciaram na semana passada, quando trevo de acesso à cidade foi fechado
Protestos iniciaram na semana passada, quando trevo de acesso à cidade foi fechado
Publicada em 03/03/2015.

 

Na ERS-342, no entroncamento com a 218, região do município de Catuípe, o fim de semana foi de manifestações dos caminhoneiros. Os protestantes estiveram no trevo de acesso ao município e também receberam o apoio dos donos de postos de gasolina, que fecharam as portas em apoio ao movimento. 
Conforme um dos organizadores do manifesto de Catuípe, Luiz Alberto Possani, o protesto não deve parar sem que haja algum resultado. "Nosso movimento irá parar somente quando conseguirmos uma solução racional. Temos apoio do município todo, estamos convidando todos os motoristas que chegam aqui porque estão de brincadeira com o agricultor e com o transportador. Quem quiser reivindicar conosco, será bem-vindo", explica.
De acodo com Luiz Alberto, os postos não estão com falta de gasolina, e que fecharam as portas somente para apoiar ao manifesto. "Foi opção deles", destaca.
Os caminhoneiros também reclamam das estradas. "Não temos nem postos para pernoitar, se tu não abasteces, não podes descansar", completa.

Na ERS-342, no entroncamento com a 218, região do município de Catuípe, o fim de semana foi de manifestações dos caminhoneiros. Os protestantes estiveram no trevo de acesso ao município e também receberam o apoio dos donos de postos de gasolina, que fecharam as portas em apoio ao movimento. 

Conforme um dos organizadores do manifesto de Catuípe, Luiz Alberto Possani, o protesto não deve parar sem que haja algum resultado. "Nosso movimento irá parar somente quando conseguirmos uma solução racional. Temos apoio do município todo, estamos convidando todos os motoristas que chegam aqui porque estão de brincadeira com o agricultor e com o transportador. Quem quiser reivindicar conosco, será bem-vindo", explica.

De acodo com Luiz Alberto, os postos não estão com falta de gasolina, e que fecharam as portas somente para apoiar ao manifesto. "Foi opção deles", destaca.

Os caminhoneiros também reclamam das estradas. "Não temos nem postos para pernoitar, se tu não abasteces, não podes descansar", completa.